1. O DEUS QUE NÃO RESPONDE
Primeiramente Habacuque queria saber o por que de suas orações não estarem sendo respondidas. Ele orava pelo país e buscava em Deus uma solução para a situação de calamidade na qual a nação se encontrava, mas Deus não lhe dizia nada?

“Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei; violência! E não salvarás?” poucas coisas são mais angustiantes do que orações não respondidas. Às vezes a gente chega a pensar que é melhor deixar de orar do que orar correndo o risco de não ser respondido. Orar é profundamente comprometedor pelo simples fato de que coloca em cheque nossa fé em Deus. Isso porque quando Deus não responde nos vemos obrigados a arranjar respostas para o silencio de Deus. Dessa forma, para muitos é melhor qualquer outra opção na qual nem eles nem Deus sejam checados diante do silencio divino.

2. O DEUS QUE NÃO INTERVÉM

Esse sentimento de se sentir um intercessor mal-sucedido levou Habacuque a perguntar a Deus qual era o propósito que Ele tinha em mente quando revelava a tremenda contradição existente entre o Seu caráter santo e a pecaminosidade da sociedade.

Habacuque dizia que havia muita palavra de Deus e pouca ação de Deus na história. “Por que me mostras a iniquidade, e me fazes ver a opressão? Pois a destruição e a violência estão diante de mim; há contenda, e o litígio se suscita. Por esta causa a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta; porque o perverso cerca o justo, a justiça é torcida” (1.3.4) .

A pergunta resposta-acusação do profeta parece indicar que ele queria um Deus que revelasse menos e agisse mais. A tentação de Habacuque era agir em nome de Deus na certeza de que quando Deus não fala é a vez do homem falar, e quando Deus não age é a vez do homem agir. Mas isso parece bastante diferente da afirmação de Moisés quando disse que se Deus não fosse com ele e com o povo, que ele preferia não sair do lugar.

Moisés valorizava mais a presença de Deus do que ações em nome de Deus. Eu nunca tenho a garantia de que estou falando em nome de Deus apenas porque a causa que eu estou defendendo hoje foi um dia uma causa que Deus defendeu. Deus nem sempre defende as mesmas causas – No Egito Deus estava interessado em libertar um povo: Israel. Mas na campanha militar de Josué em Canaã não há duvida de que Deus estava agindo na perspectiva de eliminar alguns povos: os jebuseus, os herzeus, etc...

Qualquer leitura despreconceituosa da Bíblia nos pões cara a cara com essa terrível e repugnante verdade: Deus nem sempre defende as mesmas causas. Nunca vemos Deus a priori comprometido com uma causa. Deus nem sempre é visto fazendo justiça de acordo com nossos padrões de direito. Ele é sempre visto realizando justiça de acordo com a Sua santidade. E isso é totalmente estranho ao nosso senso de justiça na modernidade, porque o nosso senso de justiça não se baseia no caráter do Deus santo, mas fundamenta-se nas declarações dos direitos humanos. Para nós o mais importante é a vida humana. Já a leitura do Decálogo nos mostra que o referencial de julgamento divino tem duas dimensões: horizontal e vertical. Na expectativa vertical se diz que Deus requer ser visto como o Único Deus, o que implica em que a idolatria não é admitida e em que Deus tem que ser o único objeto do nosso culto. Na perspectiva horizontal, Deus estabelece o respeito pelos direitos do homem também como expressão do Seu mais profundo desejo para a vida: honrar pai e mãe, não matar, não adulterar, não dar falso testemunho, etc...

É por causa desta dupla dimensão da justiça de Deus que temos que entender que a vida humana não é um fim em si mesma. O ser humano foi criado para Deus e para ser o reflexo da santidade e da graça do Criador. Assim a finalidade humana não PE a liberdade nem a libertação. A finalidade humana é ser em e para Deus à medida que vive também em amor e respeito para com seu próximo. O profeta Jeremias declarou para os falsos profetas para não declarar liberdade para o povo de Israel. Ele entendia que o opressor poderia ser um instrumento nas mãos de Deus para trazer juízo. Os falsos profetas consideraram isso como uma traição, que Jeremias estava vendido ao inimigo. Jeremias sabia que o povo estava sendo oprimido por causa da idolatria. Deus estava mais interessado em curar o povo da idolatria do que poupá-lo de ser oprimido. Foi o exílio que curou a doença idolatria de Israel.

3. AS INCOERENCIAS DE DEUS

Habacuque começa a perguntar como um Deus santo pode conviver com tanta maldade. “não és tu desde a eternidade, ó Senhor meu Deus, ó meu Santo?... por que... tolera os que procedem perdfidamente, e te calas quando o perverso devora aquele que é mais justo do que ele? ( 1.12.13.).

Mas uma vez o silencio de Deus conduz Habacuque a exigir de Deus respostas praticas na historia. Afinal, Deus te que servir para alguma coisa. Muitas vezes quando a resposta de Deus não bate com aquilo que queremos pensamos que Deus ainda não respondeu. Foi o que aconteceu com Habacuque (1.5.10.11). Desde sempre que se tem em mente a ideia que a fé tem que ter implicações praticas, mas alguns dizem que foi para se identificar conosco; mas há algo maior do que isso.

4. DEUS REALMENTE É DEUS?

“por que fazes os homens como os peixes do mar, como aos repteis que não têm quem os governe? (1.14.). A conclusão a que Habacuque estava chegando era que o mal social e o estado de desgoverno do país eram de inteira responsabilidade divina. Afinal fora Ele aquele que fizera os seres humanos como os peixes e os repteis: sem ter quem os governe. A revolta contra Deus começa a ficar mais explicita. Cada vez mais o profeta intima os céus a dar uma resposta. Habacuque esta na iminência de perguntar se Deus realmente é Deus. Quando esperamos o profeta dizer chega de Deus, somos surpreendidos, ele diz eu quero é Deus. “Por-me-ei na minha torre de vigia, colocar-me-ei sobre a fortaleza, e vigiarei para ver o que Deus me dirá, e que resposta eu terei à minha queixa”(2.1)

5. FÉ – A DESCOBERTA REVOLUCIONÁRIA
Essa é a diferença essencial entre o ateu revoltado e o crente perplexo e confuso. O ateu declara seu ódio a Deus pela negação que o faz auto-excluir de Deus. Já o crente perplexo se queixa de Deus a Deus. Ou seja, quando ele se queixa de Deus a Deus ele está, ainda assim, confessando a existência de Deus. Habacuque então vai para a torre de vigia e Deus fala com ele “O justo viverá da fé”. Esta resposta não resolve os dilemas existências, mas revela algo revolucionário: Deus não existe para o ser humano. É o ser humano que existe para Deus.

Habacuque nos ensina que nossa fé em Deus é fé para nada, apenas fé para viver. Não é fé para conseguir. É fé para ser. A fé adulta e que nos faz viver não é aquela que se baseia em argumentos muito bem fundamentados sobre quem é Deus, mas é a fé daqueles que conhecem a Deus e que estão dispostos a servi-lo em troca de nada. É a fé daqueles cuja recompensa o poder crer.

Essa fé não ajudou a Abraão a entender quais eram as razões de Deus quando ordenou que imolasse seu filho Isaque sobre o altar mas foi essa fé que o levou a levantar-se de madrugada, a pegar o menino, o cutelo, a lenha e o fogo e a partir para o Monte Moriá. Tal fé serve a Deus por nada. Serve a Deus apenas por Deus. E é essa fé que se constitui na maior resposta quando o nosso mundo está como o mundo de Habacuque: caótico e idiota. Essa fé faz o justo. Essa fé justifica o justo. Essa fé crê apesar do apesar mais pesaroso.

A declaração final de Habacuque nos ensina que conquanto a fé tenha um poder libertário em si mesma, ela deve ser fé para além da própria finalidade histórica libertacionaria. Ela tem de ser fé mesmo quando mudanças são geradas, mesmo porque, a fé Bíblica nunca é baseada em um fato histórico, ela está sempre relacionada com o invisível ou com o futuro (Hb 11.1). é por isso que a verdadeira fé serve a Deus por nada. “ Ainda que a figueira não floresça, nem há fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzem mantimentos; as ovelhas foram arrebatadas do aprisco e nos currais não há gado, todavia eu me alegro no Senhor, exalto no Deus da minha salvação”.

CONCLUSÃO:
Sirva a Deus por nada e descubra que isso é tudo